Tumblr inteiramente dedicado ao RP de Grand Chase do tumblr - GCT

Eu sou Rey, a princesa de Elyos, o que um ser tão insignificante como você esta fazendo aqui?

Ficha

OOC

Você é divertido, mas continua sendo um imprestável.
arme-chan-gc:

vanillnyan:

Can we talk about that post Grand Chase Korea’s Naver blog made where Elesis has dresses as one of her weaknesses?

LOL?

arme-chan-gc:

vanillnyan:

Can we talk about that post Grand Chase Korea’s Naver blog made where Elesis has dresses as one of her weaknesses?

LOL?

HAH! ACERTEI

EU DISSE PRA VOCÊS FKDJSHFSDJK

O Lupus prefere o banheiro do 3º andar pq é melior. Porque a rey sempre manda  o James ajeitar aquela bagaça qq

[Quarto da Rey]

 

Parou de rir encarando-a nos olhos por trás das lentes - Mas… Até que combina com você - Comentou com um sorriso de canto. Aquela surpresa até a fizera esquecer por um momento, mas então voltando a si, ficou um pouco mais difícil agir normalmente, permaneceu com a mesma expressão olhando pra ela e esperando sua resposta, mas ao mesmo tempo apertava com os dedos o travesseiro que agora estava em seu colo.

- Meh, sério? - Retirou a armação do rosto, franzindo o cenho ao encarar o objeto a sua frente. - É estranho. -

- Não acho, eu mesma tenho um, só que não uso sempre - Comentou pensativa - É mais pra leitura… Quando eu uso é só aqui no quarto. - Completou desviando o olhar pra algumas partes do corpo de Edna que chamavam atenção com todos os cortes e hematomas, a missão deve ter sido mesmo difícil.

- E você por acaso lê? - A encarava por cima das lentes, soltando uma risada anasalada. A outra não era lá muito de ler, sabia bem disso.

- Você se engana se pensa que eu não leio. - disse voltando a encara-la com certa irritação - Eu estudo magia, esqueceu? Não é só pratica. - Sua expressão era séria, realmente irritava ela ter a subestimado.

[Quarto da Rey]

edna-gc:

rey-von-crimson:

A princípio ela se assustou com a reação repentina da outra, mas logo ela soltou uma risada anasalada, colocando as mãos sobre os fios róseos e começou a fazer um cafuné neles. Uma Crimson precisava manter a pose, não é?

Sentiu a mão da maior passear por sua cabeça e por um momento sentiu um enorme calafrio, mas logo… aquilo a fez se sentir melhor. Respirou fundo e então se acalmou - Uma Crimson precisa perder a compostura as vezes… sabe? - comentou com a voz calma um pouco rouca.

- Oras, erga a cabeça. - Suas mãos se moveram até as laterais da cabeça de Rey, a movendo com cuidado, obrigando a outra a olhar pra si. - O que seu pai acharia disso? -

Sentiu as mãos a forçarem a levantar mesmo tentando evitar. Ouviu o que ela disse com amargura, não gostou de ter mencionado seu pai na conversa. Torceu o nariz e se levantou sentando na cama de frente pra ela, porém ainda com a cabeça baixa - Ele acharia vergonhoso… - Disse com a voz baixa, antes de finalmente resolver olhar pra cima, para ela. Levou um tempo pra processar o que vira, mas logo soltou uma risada como se isso a livrasse de todas preocupações - Pfft… O que é isso na sua cara!? -

- Então pare de se comportar assim. - Passou a mão por sua bochecha, antes dela finalmente a encarar e soltar aquela risada debochada de si, mas pelo menos aquela ar depressivo tinha ido embora dela. - Depois que eu voltei da missão minha visão ficou… ruim, não sei o porque. - Ajeitou os óculos no rosto, agora estava se sentindo novamente incomodada com aquela coisa.

Parou de rir encarando-a nos olhos por trás das lentes - Mas… Até que combina com você - Comentou com um sorriso de canto. Aquela surpresa até a fizera esquecer por um momento, mas então voltando a si, ficou um pouco mais difícil agir normalmente, permaneceu com a mesma expressão olhando pra ela e esperando sua resposta, mas ao mesmo tempo apertava com os dedos o travesseiro que agora estava em seu colo.

- Meh, sério? - Retirou a armação do rosto, franzindo o cenho ao encarar o objeto a sua frente. - É estranho. -

- Não acho, eu mesma tenho um, só que não uso sempre - Comentou pensativa - É mais pra leitura… Quando eu uso é só aqui no quarto. - Completou desviando o olhar pra algumas partes do corpo de Edna que chamavam atenção com todos os cortes e hematomas, a missão deve ter sido mesmo difícil.

edna-gc:

arme-chan-gc:

Alguma das asmodianas pode dar uma diminuída nesse post baleia fazendo favor?

Eu to no celular e pedi pra nana fazer isso, mas pedir pra ela é a mesma coisa que não pedir, então :v

Desculpa se eu não sei fazer quase nada no tumblr, eu tentei mas pareceu que ia estragar tudo, então… :v

[Quarto da Rey]

A princípio ela se assustou com a reação repentina da outra, mas logo ela soltou uma risada anasalada, colocando as mãos sobre os fios róseos e começou a fazer um cafuné neles. Uma Crimson precisava manter a pose, não é?

Sentiu a mão da maior passear por sua cabeça e por um momento sentiu um enorme calafrio, mas logo… aquilo a fez se sentir melhor. Respirou fundo e então se acalmou - Uma Crimson precisa perder a compostura as vezes… sabe? - comentou com a voz calma um pouco rouca.

- Oras, erga a cabeça. - Suas mãos se moveram até as laterais da cabeça de Rey, a movendo com cuidado, obrigando a outra a olhar pra si. - O que seu pai acharia disso? -

Sentiu as mãos a forçarem a levantar mesmo tentando evitar. Ouviu o que ela disse com amargura, não gostou de ter mencionado seu pai na conversa. Torceu o nariz e se levantou sentando na cama de frente pra ela, porém ainda com a cabeça baixa - Ele acharia vergonhoso… - Disse com a voz baixa, antes de finalmente resolver olhar pra cima, para ela. Levou um tempo pra processar o que vira, mas logo soltou uma risada como se isso a livrasse de todas preocupações - Pfft… O que é isso na sua cara!? -

- Então pare de se comportar assim. - Passou a mão por sua bochecha, antes dela finalmente a encarar e soltar aquela risada debochada de si, mas pelo menos aquela ar depressivo tinha ido embora dela. - Depois que eu voltei da missão minha visão ficou… ruim, não sei o porque. - Ajeitou os óculos no rosto, agora estava se sentindo novamente incomodada com aquela coisa.

Parou de rir encarando-a nos olhos por trás das lentes - Mas… Até que combina com você - Comentou com um sorriso de canto. Aquela surpresa até a fizera esquecer por um momento, mas então voltando a si, ficou um pouco mais difícil agir normalmente, permaneceu com a mesma expressão olhando pra ela e esperando sua resposta, mas ao mesmo tempo apertava com os dedos o travesseiro que agora estava em seu colo.

lassisolet:

arme-chan-gc:

LUPUS, SEU INFELIZ, SEU QUARTO FICA NO SEGUNDO ANDAR, TEM BANHEIRO LÁ TAMBÉM. MAS POR QUE DIABOS VOCÊ VEIO LOGO NO TERCEIRO?

Porque ele é um filho da puta *corre* /ooc

ooc:
1- Porque ele não tem senso de direção e se perdeu

2- Porque ele acha que o banheiro do 3º andar é mais limpinho /ooc

Rey: Mas é claro que é mais limpo, eu uso aquilo!

[Quarto da Rey]

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

 

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Mentira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

Riu, cutucando sua cintura, sabia que aquilo era faxada, se fosse verdade ela simplesmente teria dado um jeito de tirar Edna do quarto. - Por onde esteve? - Questionou, já tinha um tempinho desde que vira a outra pelo QG. 

Respirou fundo, não esperava por essa pergunta, realmente não esperava. Ela que pergunta isso?  - Na enfermaria, em coma - Respondeu calmamente porém com um tom pesado. “E onde que você esteve enquanto isso?” - Até uma certa pessoa me acordar e depois… - Fez uma pausa tentando perceber alguma reação dela mesmo sem vê-la - Resolvi ir pra casa por um tempo, pra me recuperar melhor. - Terminou de responde-la, se fosse qualquer outra pessoa que perguntasse sua reposta teria sido completamente diferente, mesmo que só em como falar.

Edna torceu o nariz e depois suspirou, não estava gostando muito do tom com que ela falava, e também da energia que a alma dela emanava. - E poderia me dizer o motivo desse seu drama todo? -

Ela não parecia estar mesmo interessada em saber, mas pelo menos ela se deu o trabalho de perguntar. Suspirou com dificuldade e se virou pra deitar de lado, ainda de costas pra ela; não queria que ela a visse, quase tanto quanto não queria vê-la ainda -  Você sumiu quando eu estava na enfermaria, você não estava quando eu acordei. - Disse com a voz falha, não queria falar muito e nem se esforçar pra isso - E aparece assim do nada no meu quarto como se nada tivesse acontecido, só querendo a minha carteira ou alguma outra coisa. Como sempre - Agarrou um travesseiro a sua frente enquanto falava, e o apertou afundando a cabeça nele, fazendo com que suas ultimas palavras soassem muito abafadas. - E depois… você ainda me pergunta onde que eu estive - Completou antes que ela pudesse fazer algo, e então ficou em silêncio, com a cabeça ainda enterrada no travesseiro, esperando. “Já pode dizer que é tudo drama e ir embora  agora”.

Edna suspirou, estava se esquecendo de que ela estava desacordada quando tudo ocorreu e provavelmente não se lembrava de nada. - Bom, primeiramente fui eu quem te levou pra enfermaria depois que aquela loira oxigenada levou sua alma para o submundo. - Se ajeitou melhor na cama na esperança de ver melhor o rosto da menor, mas estava meio impossível. - E também fui eu que busquei sua alma. Te visitei algumas vezes na enfermaria também. Depois surgiu uma oportunidade de ir pra uma missão com o Sieghart, a loira e o Zero, e bem, você sabe que eu não consigo ficar muito tempo parada. - Terminou de explicar com a maior simplicidade do mundo, não esperava que ela fosse entender, mas não custava explicar.

Era difícil ouvir aquilo, ela não fazia a menor ideia, tudo que se lembrava era de seus últimos momentos no quarto com o caçador, e mesmo isso lhe doía a cabeça ao pensar. Mas ouvi-la chamar “a loira” daquele jeito, até que a fez ter que segurar um riso - Mas por que não esperou que eu acordasse, ou tentou me acordar? - Não queria parecer que já tinha a perdoado, mas estava difícil de se conter assim, teve que apertar o travesseiro ainda mais forte enquanto o mordia depois de falar. O motivo de não querer ver a Edna não é por estar com raiva, nunca foi, e ela sabe disso. E isso a perturbava profundamente.

- Eu tentei te acordar, mas você simplesmente não acordava. - Comprimiu os lábios, estava começando a se arrepender de ter deixado a outra sozinha. - Mas… eu vim aqui saber como você estava, você me deixou preocupada. -

Aquilo era difícil de mais, não dava pra aguentar tudo aquilo só ficando ali deitada, descontando a frustração em um travesseiro. Não aguentando mais se segurar, se virou bruscamente na direção dela e agarrou, dessa vez não um travesseiro, mas ela, deitando a cabeça sobre seu colo - E se você contar isso pra alguém ,eu juro pelos deuses que você vai se arrepender - Disse tentando parecer confiante e ameaçadora mesmo com a voz abafada pelo colo da outra.

A princípio ela se assustou com a reação repentina da outra, mas logo ela soltou uma risada anasalada, colocando as mãos sobre os fios róseos e começou a fazer um cafuné neles. Uma Crimson precisava manter a pose, não é?

Sentiu a mão da maior passear por sua cabeça e por um momento sentiu um enorme calafrio, mas logo… aquilo a fez se sentir melhor. Respirou fundo e então se acalmou - Uma Crimson precisa perder a compostura as vezes… sabe? - comentou com a voz calma um pouco rouca.

- Oras, erga a cabeça. - Suas mãos se moveram até as laterais da cabeça de Rey, a movendo com cuidado, obrigando a outra a olhar pra si. - O que seu pai acharia disso? -

Sentiu as mãos a forçarem a levantar mesmo tentando evitar. Ouviu o que ela disse com amargura, não gostou de ter mencionado seu pai na conversa. Torceu o nariz e se levantou sentando na cama de frente pra ela, porém ainda com a cabeça baixa - Ele acharia vergonhoso… - Disse com a voz baixa, antes de finalmente resolver olhar pra cima, para ela. Levou um tempo pra processar o que vira, mas logo soltou uma risada como se isso a livrasse de todas preocupações - Pfft… O que é isso na sua cara!? -

[Quarto da Rey]

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

 

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Mentira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

Riu, cutucando sua cintura, sabia que aquilo era faxada, se fosse verdade ela simplesmente teria dado um jeito de tirar Edna do quarto. - Por onde esteve? - Questionou, já tinha um tempinho desde que vira a outra pelo QG. 

Respirou fundo, não esperava por essa pergunta, realmente não esperava. Ela que pergunta isso?  - Na enfermaria, em coma - Respondeu calmamente porém com um tom pesado. “E onde que você esteve enquanto isso?” - Até uma certa pessoa me acordar e depois… - Fez uma pausa tentando perceber alguma reação dela mesmo sem vê-la - Resolvi ir pra casa por um tempo, pra me recuperar melhor. - Terminou de responde-la, se fosse qualquer outra pessoa que perguntasse sua reposta teria sido completamente diferente, mesmo que só em como falar.

Edna torceu o nariz e depois suspirou, não estava gostando muito do tom com que ela falava, e também da energia que a alma dela emanava. - E poderia me dizer o motivo desse seu drama todo? -

Ela não parecia estar mesmo interessada em saber, mas pelo menos ela se deu o trabalho de perguntar. Suspirou com dificuldade e se virou pra deitar de lado, ainda de costas pra ela; não queria que ela a visse, quase tanto quanto não queria vê-la ainda -  Você sumiu quando eu estava na enfermaria, você não estava quando eu acordei. - Disse com a voz falha, não queria falar muito e nem se esforçar pra isso - E aparece assim do nada no meu quarto como se nada tivesse acontecido, só querendo a minha carteira ou alguma outra coisa. Como sempre - Agarrou um travesseiro a sua frente enquanto falava, e o apertou afundando a cabeça nele, fazendo com que suas ultimas palavras soassem muito abafadas. - E depois… você ainda me pergunta onde que eu estive - Completou antes que ela pudesse fazer algo, e então ficou em silêncio, com a cabeça ainda enterrada no travesseiro, esperando. “Já pode dizer que é tudo drama e ir embora  agora”.

Edna suspirou, estava se esquecendo de que ela estava desacordada quando tudo ocorreu e provavelmente não se lembrava de nada. - Bom, primeiramente fui eu quem te levou pra enfermaria depois que aquela loira oxigenada levou sua alma para o submundo. - Se ajeitou melhor na cama na esperança de ver melhor o rosto da menor, mas estava meio impossível. - E também fui eu que busquei sua alma. Te visitei algumas vezes na enfermaria também. Depois surgiu uma oportunidade de ir pra uma missão com o Sieghart, a loira e o Zero, e bem, você sabe que eu não consigo ficar muito tempo parada. - Terminou de explicar com a maior simplicidade do mundo, não esperava que ela fosse entender, mas não custava explicar.

Era difícil ouvir aquilo, ela não fazia a menor ideia, tudo que se lembrava era de seus últimos momentos no quarto com o caçador, e mesmo isso lhe doía a cabeça ao pensar. Mas ouvi-la chamar “a loira” daquele jeito, até que a fez ter que segurar um riso - Mas por que não esperou que eu acordasse, ou tentou me acordar? - Não queria parecer que já tinha a perdoado, mas estava difícil de se conter assim, teve que apertar o travesseiro ainda mais forte enquanto o mordia depois de falar. O motivo de não querer ver a Edna não é por estar com raiva, nunca foi, e ela sabe disso. E isso a perturbava profundamente.

- Eu tentei te acordar, mas você simplesmente não acordava. - Comprimiu os lábios, estava começando a se arrepender de ter deixado a outra sozinha. - Mas… eu vim aqui saber como você estava, você me deixou preocupada. -

Aquilo era difícil de mais, não dava pra aguentar tudo aquilo só ficando ali deitada, descontando a frustração em um travesseiro. Não aguentando mais se segurar, se virou bruscamente na direção dela e agarrou, dessa vez não um travesseiro, mas ela, deitando a cabeça sobre seu colo - E se você contar isso pra alguém ,eu juro pelos deuses que você vai se arrepender - Disse tentando parecer confiante e ameaçadora mesmo com a voz abafada pelo colo da outra.

A princípio ela se assustou com a reação repentina da outra, mas logo ela soltou uma risada anasalada, colocando as mãos sobre os fios róseos e começou a fazer um cafuné neles. Uma Crimson precisava manter a pose, não é?

Sentiu a mão da maior passear por sua cabeça e por um momento sentiu um enorme calafrio, mas logo… aquilo a fez se sentir melhor. Respirou fundo e então se acalmou - Uma Crimson precisa perder a compostura as vezes… sabe? - comentou com a voz calma um pouco rouca.

[Quarto da Rey]

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

 

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Mentira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

Riu, cutucando sua cintura, sabia que aquilo era faxada, se fosse verdade ela simplesmente teria dado um jeito de tirar Edna do quarto. - Por onde esteve? - Questionou, já tinha um tempinho desde que vira a outra pelo QG. 

Respirou fundo, não esperava por essa pergunta, realmente não esperava. Ela que pergunta isso?  - Na enfermaria, em coma - Respondeu calmamente porém com um tom pesado. “E onde que você esteve enquanto isso?” - Até uma certa pessoa me acordar e depois… - Fez uma pausa tentando perceber alguma reação dela mesmo sem vê-la - Resolvi ir pra casa por um tempo, pra me recuperar melhor. - Terminou de responde-la, se fosse qualquer outra pessoa que perguntasse sua reposta teria sido completamente diferente, mesmo que só em como falar.

Edna torceu o nariz e depois suspirou, não estava gostando muito do tom com que ela falava, e também da energia que a alma dela emanava. - E poderia me dizer o motivo desse seu drama todo? -

Ela não parecia estar mesmo interessada em saber, mas pelo menos ela se deu o trabalho de perguntar. Suspirou com dificuldade e se virou pra deitar de lado, ainda de costas pra ela; não queria que ela a visse, quase tanto quanto não queria vê-la ainda -  Você sumiu quando eu estava na enfermaria, você não estava quando eu acordei. - Disse com a voz falha, não queria falar muito e nem se esforçar pra isso - E aparece assim do nada no meu quarto como se nada tivesse acontecido, só querendo a minha carteira ou alguma outra coisa. Como sempre - Agarrou um travesseiro a sua frente enquanto falava, e o apertou afundando a cabeça nele, fazendo com que suas ultimas palavras soassem muito abafadas. - E depois… você ainda me pergunta onde que eu estive - Completou antes que ela pudesse fazer algo, e então ficou em silêncio, com a cabeça ainda enterrada no travesseiro, esperando. “Já pode dizer que é tudo drama e ir embora  agora”.

Edna suspirou, estava se esquecendo de que ela estava desacordada quando tudo ocorreu e provavelmente não se lembrava de nada. - Bom, primeiramente fui eu quem te levou pra enfermaria depois que aquela loira oxigenada levou sua alma para o submundo. - Se ajeitou melhor na cama na esperança de ver melhor o rosto da menor, mas estava meio impossível. - E também fui eu que busquei sua alma. Te visitei algumas vezes na enfermaria também. Depois surgiu uma oportunidade de ir pra uma missão com o Sieghart, a loira e o Zero, e bem, você sabe que eu não consigo ficar muito tempo parada. - Terminou de explicar com a maior simplicidade do mundo, não esperava que ela fosse entender, mas não custava explicar.

Era difícil ouvir aquilo, ela não fazia a menor ideia, tudo que se lembrava era de seus últimos momentos no quarto com o caçador, e mesmo isso lhe doía a cabeça ao pensar. Mas ouvi-la chamar “a loira” daquele jeito, até que a fez ter que segurar um riso - Mas por que não esperou que eu acordasse, ou tentou me acordar? - Não queria parecer que já tinha a perdoado, mas estava difícil de se conter assim, teve que apertar o travesseiro ainda mais forte enquanto o mordia depois de falar. O motivo de não querer ver a Edna não é por estar com raiva, nunca foi, e ela sabe disso. E isso a perturbava profundamente.

- Eu tentei te acordar, mas você simplesmente não acordava. - Comprimiu os lábios, estava começando a se arrepender de ter deixado a outra sozinha. - Mas… eu vim aqui saber como você estava, você me deixou preocupada. -

Aquilo era difícil de mais, não dava pra aguentar tudo aquilo só ficando ali deitada, descontando a frustração em um travesseiro. Não aguentando mais se segurar, se virou bruscamente na direção dela e agarrou, dessa vez não um travesseiro, mas ela, deitando a cabeça sobre seu colo - E se você contar isso pra alguém ,eu juro pelos deuses que você vai se arrepender - Disse tentando parecer confiante e ameaçadora mesmo com a voz abafada pelo colo da outra.

[Quarto da Rey]

edna-gc:

rey-von-crimson:

edna-gc:

 

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Mentira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

Riu, cutucando sua cintura, sabia que aquilo era faxada, se fosse verdade ela simplesmente teria dado um jeito de tirar Edna do quarto. - Por onde esteve? - Questionou, já tinha um tempinho desde que vira a outra pelo QG. 

Respirou fundo, não esperava por essa pergunta, realmente não esperava. Ela que pergunta isso?  - Na enfermaria, em coma - Respondeu calmamente porém com um tom pesado. “E onde que você esteve enquanto isso?” - Até uma certa pessoa me acordar e depois… - Fez uma pausa tentando perceber alguma reação dela mesmo sem vê-la - Resolvi ir pra casa por um tempo, pra me recuperar melhor. - Terminou de responde-la, se fosse qualquer outra pessoa que perguntasse sua reposta teria sido completamente diferente, mesmo que só em como falar.

Edna torceu o nariz e depois suspirou, não estava gostando muito do tom com que ela falava, e também da energia que a alma dela emanava. - E poderia me dizer o motivo desse seu drama todo? -

Ela não parecia estar mesmo interessada em saber, mas pelo menos ela se deu o trabalho de perguntar. Suspirou com dificuldade e se virou pra deitar de lado, ainda de costas pra ela; não queria que ela a visse, quase tanto quanto não queria vê-la ainda -  Você sumiu quando eu estava na enfermaria, você não estava quando eu acordei. - Disse com a voz falha, não queria falar muito e nem se esforçar pra isso - E aparece assim do nada no meu quarto como se nada tivesse acontecido, só querendo a minha carteira ou alguma outra coisa. Como sempre - Agarrou um travesseiro a sua frente enquanto falava, e o apertou afundando a cabeça nele, fazendo com que suas ultimas palavras soassem muito abafadas. - E depois… você ainda me pergunta onde que eu estive - Completou antes que ela pudesse fazer algo, e então ficou em silêncio, com a cabeça ainda enterrada no travesseiro, esperando. “Já pode dizer que é tudo drama e ir embora  agora”.

Edna suspirou, estava se esquecendo de que ela estava desacordada quando tudo ocorreu e provavelmente não se lembrava de nada. - Bom, primeiramente fui eu quem te levou pra enfermaria depois que aquela loira oxigenada levou sua alma para o submundo. - Se ajeitou melhor na cama na esperança de ver melhor o rosto da menor, mas estava meio impossível. - E também fui eu que busquei sua alma. Te visitei algumas vezes na enfermaria também. Depois surgiu uma oportunidade de ir pra uma missão com o Sieghart, a loira e o Zero, e bem, você sabe que eu não consigo ficar muito tempo parada. - Terminou de explicar com a maior simplicidade do mundo, não esperava que ela fosse entender, mas não custava explicar.

Era difícil ouvir aquilo, ela não fazia a menor ideia, tudo que se lembrava era de seus últimos momentos no quarto com o caçador, e mesmo isso lhe doía a cabeça ao pensar. Mas ouvi-la chamar “a loira” daquele jeito, até que a fez ter que segurar um riso - Mas por que não esperou que eu acordasse, ou tentou me acordar? - Não queria parecer que já tinha a perdoado, mas estava difícil de se conter assim, teve que apertar o travesseiro ainda mais forte enquanto o mordia depois de falar. O motivo de não querer ver a Edna não é por estar com raiva, nunca foi, e ela sabe disso. E isso a perturbava profundamente.

[Quarto da Rey]

edna-gc:

 

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Mentira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

Riu, cutucando sua cintura, sabia que aquilo era faxada, se fosse verdade ela simplesmente teria dado um jeito de tirar Edna do quarto. - Por onde esteve? - Questionou, já tinha um tempinho desde que vira a outra pelo QG. 

Respirou fundo, não esperava por essa pergunta, realmente não esperava. Ela que pergunta isso?  - Na enfermaria, em coma - Respondeu calmamente porém com um tom pesado. “E onde que você esteve enquanto isso?” - Até uma certa pessoa me acordar e depois… - Fez uma pausa tentando perceber alguma reação dela mesmo sem vê-la - Resolvi ir pra casa por um tempo, pra me recuperar melhor. - Terminou de responde-la, se fosse qualquer outra pessoa que perguntasse sua reposta teria sido completamente diferente, mesmo que só em como falar.

Edna torceu o nariz e depois suspirou, não estava gostando muito do tom com que ela falava, e também da energia que a alma dela emanava. - E poderia me dizer o motivo desse seu drama todo? -

Ela não parecia estar mesmo interessada em saber, mas pelo menos ela se deu o trabalho de perguntar. Suspirou com dificuldade e se virou pra deitar de lado, ainda de costas pra ela; não queria que ela a visse, quase tanto quanto não queria vê-la ainda -  Você sumiu quando eu estava na enfermaria, você não estava quando eu acordei. - Disse com a voz falha, não queria falar muito e nem se esforçar pra isso - E aparece assim do nada no meu quarto como  se nada tivesse acontecido, só querendo a minha carteira ou alguma outra coisa. Como sempre - Agarrou um travesseiro a sua frente enquanto falava, e o apertou afundando a cabeça nele, fazendo com que suas ultimas palavras soassem muito abafadas. - E depois… você ainda me pergunta onde que eu estive - Completou antes que ela pudesse fazer algo, e então ficou em silêncio, com a cabeça ainda enterrada no travesseiro, esperando. “Já pode dizer que é tudo drama e ir embora  agora”.

[Quarto da Rey]

edna-gc:

"Ah, claro… o Haunt", Ouviu os passos sem mudar sua posição, mas quando ela chegou mais perto virou-se de bruços, aquela posição já estava cansando mesmo. - Eu não sei, não invoquei ele ainda e não estou bem disposta agora… - Disse com a voz um pouco abafada pelos cobertores, - Só veio aqui atrás dele? Se for, já pode sair agora - Falou enquanto pegava um travesseiro pra se apoiar "É claro que ela não viria aqui sem ter algum interesse"

- Eu preciso de dinheiro também. - Riu, se sentando sobre uma perna na cama. Sabia que ela ficaria no minimo irritada com aquilo, coisa que achava divertido.

Isso parecia ser tão precisamente calculado só pra irrita-la, que até achou irônico. Sua vontade? jogar a primeira coisa dura que  tivesse perto de si nela, quem sabe até dar um chute, que não o fez por pouco, mas não iria cair na provocação dela, não. Respirou bem fundo se controlando - Tá em cima da mesinha, se é só isso já pode me deixar em paz agora. - Afundou no travesseiro depois de falar, no fundo achava divertido o jeito dela irritar "Eu senti falta disso. Fica aqui me incomodando mais…" Pedia em silencio, prestando atenção a cada som que vinha dela.

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Mentira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

Riu, cutucando sua cintura, sabia que aquilo era faxada, se fosse verdade ela simplesmente teria dado um jeito de tirar Edna do quarto. - Por onde esteve? - Questionou, já tinha um tempinho desde que vira a outra pelo QG. 

Respirou fundo, não esperava por essa pergunta, realmente não esperava. Ela que pergunta isso?  - Na enfermaria, em coma - Respondeu calmamente porém com um tom pesado. “E onde que você esteve enquanto isso?” - Até uma certa pessoa me acordar e depois… - Fez uma pausa tentando perceber alguma reação dela mesmo sem vê-la - Resolvi ir pra casa por um tempo, pra me recuperar melhor. - Terminou de responde-la, se fosse qualquer outra pessoa que perguntasse sua reposta teria sido completamente diferente, mesmo que só em como falar.

[Quarto da Rey]

edna-gc:


Torceu o nariz sem mudar de posição - Você que perguntou se eu queria que você saísse, e teve sua resposta - Disse com ainda mais desdém, mesmo que no fundo estivesse agradecida dessa teimosa não ter ido. - Quanto tempo você ainda vai ficar aí parada? - “Vem logo pra cá…”

Ergueu uma sobrancelha e depois acabou rindo, o que ela queria que Edna fizesse? - Onde esta o Haunt, eu quero conversar com ele um pouquinho. - Finalmente se distanciou da porta, se aproximando da cama a passos lentos.

"Ah, claro… o Haunt", Ouviu os passos sem mudar sua posição, mas quando ela chegou mais perto virou-se de bruços, aquela posição já estava cansando mesmo. - Eu não sei, não invoquei ele ainda e não estou bem disposta agora… - Disse com a voz um pouco abafada pelos cobertores, - Só veio aqui atrás dele? Se for, já pode sair agora - Falou enquanto pegava um travesseiro pra se apoiar "É claro que ela não viria aqui sem ter algum interesse"

- Eu preciso de dinheiro também. - Riu, se sentando sobre uma perna na cama. Sabia que ela ficaria no minimo irritada com aquilo, coisa que achava divertido.

Isso parecia ser tão precisamente calculado só pra irrita-la, que até achou irônico. Sua vontade? jogar a primeira coisa dura que  tivesse perto de si nela, quem sabe até dar um chute, que não o fez por pouco, mas não iria cair na provocação dela, não. Respirou bem fundo se controlando - Tá em cima da mesinha, se é só isso já pode me deixar em paz agora. - Afundou no travesseiro depois de falar, no fundo achava divertido o jeito dela irritar "Eu senti falta disso. Fica aqui me incomodando mais…" Pedia em silencio, prestando atenção a cada som que vinha dela.

- Ai, meus deuses, como ela está nervosinha hoje. - Riu, começando a cogitar a ideia de realmente pegar o dinheiro e sair. Mas não tinha vindo ali pra isso. - Eu só queria saber como você estava. - 

- … - Ficou em silencio por um momento, processando o que ela dizia, toda aquela encenação e em enrolação pra isso? - Eu estou ótima, não vê? - ”Metira” - Ou estava, até você chegar. - Essa parte é verdade, se considerar que o “ótimo” seja péssimo.

[Quarto da Rey]

edna-gc:

 

"É lógico que eu não quero que você saia" - Já vai tarde - Disse enquanto se deitava, ainda com as pernas pra fora da cama. "Tira a mão dessa maçaneta e vem aqui ficar comigo." - E não esquece de fechar a porta quando sair. - Disse enquanto gesticulava com a mão um “Xô, xô”.

- Oras. - Tirou a mão da maçaneta, colocando as mãos na cintura enquanto a encarava com um olhar de desaprovação e desdem, que na verdade era pura faxada. - Eu não sou nenhum animal pra você me enxotar assim. -

Torceu o nariz sem mudar de posição - Você que perguntou se eu queria que você saísse, e teve sua resposta - Disse com ainda mais desdém, mesmo que no fundo estivesse agradecida dessa teimosa não ter ido. - Quanto tempo você ainda vai ficar aí parada? - “Vem logo pra cá…”

Ergueu uma sobrancelha e depois acabou rindo, o que ela queria que Edna fizesse? - Onde esta o Haunt, eu quero conversar com ele um pouquinho. - Finalmente se distanciou da porta, se aproximando da cama a passos lentos.

"Ah, claro… o Haunt", Ouviu os passos sem mudar sua posição, mas quando ela chegou mais perto virou-se de bruços, aquela posição já estava cansando mesmo. - Eu não sei, não invoquei ele ainda e não estou bem disposta agora… - Disse com a voz um pouco abafada pelos cobertores, - Só veio aqui atrás dele? Se for, já pode sair agora - Falou enquanto pegava um travesseiro pra se apoiar "É claro que ela não viria aqui sem ter algum interesse"

- Eu preciso de dinheiro também. - Riu, se sentando sobre uma perna na cama. Sabia que ela ficaria no minimo irritada com aquilo, coisa que achava divertido.

Isso parecia ser tão precisamente calculado só pra irrita-la, que até achou irônico. Sua vontade? jogar a primeira coisa dura que  tivesse perto de si nela, quem sabe até dar um chute , que não o fez por pouco, mas não iria cair na provocação dela, não. Respirou bem fundo se controlando - Tá em cima da mesinha, se é só isso já pode me deixar em paz agora. - Afundou no travesseiro depois de falar, no fundo achava divertido o jeito dela irritar "Eu senti falta disso. Fica aqui me incomodando mais…" Pedia em silencio, prestando atenção a cada som que vinha dela.